Os cursos on-line melhoram o teu curriculum?

A aprendizagem ao longo da vida constitui um novo modelo de formação para e durante o emprego. Os desafios que supõem a revolução das comunicações e a automação de muitos processos produtivos implicam uma actualização constante de conhecimento.

Curso on-line

Curso on-line

O prestígio da educação não formal

Os cursos on-line supõem neste sentido uma boa fórmula para adquirir conhecimentos. Mas, contribuem estes cursos o suficiente prestígio num CV nos processos de selecção? Para fazer cursos on-line, clica aqui.

Um estudo desenvolvido pela empresa de recrutamento RTI International em colaboração com a Universidade de Duke (EE. UU.) pesquisa o peso que os cursos on-line têm nos CV dos candidatos. Para isso consultou-se o departamento de recursos humanos de 103 empresas nos Estados Unidos. 73% dos interrogados considerou que tinha uma influência positiva e inclusive muito positiva nas decisões sobre selecção de pessoal quando se fazia referência a ter cursado MOOC nos CV dos candidatos.

Especialmente as empresas de negócios de comunicação e as educativas conheciam este tipo de formação gratuita em massa e cursos on-line, e valorizava-as de forma favorável dentro da formação do candidato.

Sem que os graus e a educação formal percam relevância na consideração de um bom curriculum, ter realizado cursos on-line valorizava-se por parte dos interrogados como sinal de uma grande motivação no aspirante.

Está a facilitar-se uma formação necessária para a economia do conhecimento?

Para as novas gerações de empregados, a educação formal não se resulta tão atraente. Por enquanto, conseguir um título pelos meios que oferece o sistema educativo é um trâmite a ultrapassar, mas que não é suficiente devido à carência e o desajuste com a concorrência que precisa de um mercado trabalhista em contínua mudança.

As novas especialidades relacionadas com o big data, a nuvem ou a cibersegurança dão-se em formato de cursos on-line, pelo que se faz necessário complementar a formação por esta via para ter opções reais de emprego.

Como se valoriza a motivação de um candidato?

Como tendência desde o Reino Unido, se começa a valorizar o curriculum cego, isto é, baseado na experiência do candidato e o percurso formativo que tem empreendido de forma proactiva e não dando tanto peso à instituição na qual se tem graduado. Procura-se a criatividade, a motivação e o talento procedente de qualquer parte, independentemente do prestígio da universidade onde tenha estudado. Desde as empresas tecnológicas tem-se deixado de valorizar a educação formal recebida para centrar nos aspectos que assinalam um impulso autodidacta no aspirante.

As habilidades macias são as que estão a adquirir relevância nos processos de selecção. Uma formação feita à medida de seus interesses falará de si como pessoa motivada, proactiva e com uma atitude de melhora permanente. Não deixe de assinalar no seu CV os cursos que realizou on-line para melhorar a sua  empregabilidade.

Tens feito algum curso on-line recentemente? Como tem sido a tua experiência? Comenta e partilha!